Postagem em destaque

As Metáforas das Tamareiras

POR VANDI DOGADO  Certa vez ouvi de um palestrante a belíssima lenda de origem árabe que diz: “quem planta tamareira não colhe tâmaras”. Um afoito espectador na plateia interrompeu-o, erigindo a mão direita e, sem aguardar o devido consentimento, logo emendou em tom elevado e extenso: Mas, pooorqueeeee, senhor? O palestrante como se já esperasse o questionamento manifestou um incógnito sorriso e elucidou que a tamareira leva aproximadamente 100 anos para produzir frutos, ou seja, se considerarmos que a plantemos aos 20 anos de idade, teríamos de viver 120 anos para colher suas tâmaras. Considerei o provérbio esplêndido, porque dele se podem extrair nobres ensinamentos de linguagem e de sapiência. Primeiramente, se tomarmos a expressão no sentido denotativo, defrontemo-nos com uma típica falácia, pois, ainda que naquela época a expectativa de vida fosse baixa, haveria exceções para qualquer ser humano que plantasse a árvore antes dos vinte anos. Por exemplo, se uma criança de 10 anos

Astrônoma com deficiência visual aprendeu a ouvir os segredos do Universo

POR VANDI DOGADO

Já diziam os antigos "ENQUANTO UNS RECLAMAM, OUTROS CONSTROEM" e como prova disso, encontramos o fantástico caso da astrônoma com deficiência visual plena, que criou uma técnica para ouvir os segredos do Universo. A técnica é chamada de sonificação e lhe permite analisar a complexidade cosmológica que passa despercebida visualmente. SHOW DE BOLA!!!  Leia a reportagem da BBC logo abaixo: 
Via BBC
"Nossa civilização é muito orientada para o visual e isso se reflete na ciência. Ficamos acostumados em confiar apenas nos dados que vemos, quando nossa percepção pode ser aumentada se também dermos atenção a outros sentidos", acrescenta. A ciência tem o dever de promover a inclusão. Todos nós podemos contribuir para o conhecimento humano', diz Wanda
Exoplanetas - planetas orbitando estrelas fora do Sistema Solar - tornaram-se a mais nova aposta de astrônomos em busca de vida extraterrestre. Cientistas como a porto-riquenha Wanda Diaz Merced esquadrinham o espaço em busca de pistas que possam indicar que "não estamos sós".
Só que a relação de Wanda com o céu é fora do comum. A astrônoma, de 35 anos, perdeu a visão quando ainda estava na universidade, em consequência de complicações da diabetes. Para fazer seus estudos e compensar a deficiência visual, ela precisou aprender a "escutar" o céu.
E a porto-riquenha é rápida para dizer que não considera sua carreira na astronomia um feito heroico.
"Na verdade, todos nós deveríamos reaprender a usar outros sentidos que não a visão. Há poucas décadas, por exemplo, até a astronomia se valia exclusivamente do som para explorar o espaço", conta ela, em uma conversa com a BBC Brasil em um restaurante de Londres.
Wanda se refere à radioastronomia, o estudo de corpos celestes através das ondas de rádio por eles emitidas, uma descoberta feita em 1932 e que em anos posteriores revolucionou o conhecimento sobre o universo antes de sondas percorrerem os confins do sistema solar.
E foi isso que Wanda fez para realizar o sonho de estudar o espaço. Em vez de visualizar dados, ela se propôs a estudá-los através de uma técnica chamada sonificação - a conversão de informações em sinais sonoros. À primeira vista, pode (sem trocadilho) soar complicado, mas um exemplo mais básico da técnica é o contador Geiger, instrumento usado para detectar a presença de radioatividade e que, além de um medidor, emite sinais sonoros que se intensificam proporcionalmente aos índices de radiação.
"Era minha única chance de conseguir realizar meu sonho de ser astrônoma. Em 1999, um orientador vocacional me recomendou desistir, mas eu não conseguia parar de pensar que podia ser útil. Intuição e sensibilidade não são mutuamente exclusivas. Por que eu não poderia fazer um trabalho do mesmo nível dos meus colegas?", questiona.
A chance de mostrar serviço veio durante um estágio em um centro de pesquisas da Nasa, a agência espacial americana: seu mentor, o astrofísico Robert Candey, desafiou Wanda a criar uma forma de incluir pesquisadores com deficiência visual na análise de dados coletados pelas novas gerações de radiotelescópios.

Direito de imagem NASA Image caption Dados sonoros podem ajudar a estudar eventos complexos de monitorar, como pulsos de raios gama
Foi quando ela desenvolveu uma técnica de converter dados complexos em sons audíveis, usando variações de duração, tom e timbre, entre outras propriedades.
Com essa técnica, ela conseguiu detectar "emissões de energia em explosões estelares que haviam passado despercebidas pela análise visual". "O uso do som aumentou a quantidade de informações que astrônomos podem coletar."
É com base nisso que Mercedes tem agora se dedicado à tarefa de tentar interpretar sonificações de dados de exoplanetas para buscar informações sobre condições atmosféricas e propriedades químicas que possam indicar condições para a existência de vida.
Ainda mais quando avanços tecnológicos resultaram em um salto no número de exoplanetas descobertos - apenas em 2016, mais de mil foram acrescentados a uma base de dados internacional sobre novos mundos.
Acima de tudo, a técnica permitiu que Wanda não precisasse desistir do sonho de explorar as estrelas - quando menina, ela fingia que sua cama era uma espaçonave. Sem falar que sua pesquisa abriu espaço para que mais pessoas com deficiência visual busquem uma carreira em ciência.

Direito de imagem PATRICK MANSELL, PENN STATE Image caption Mark Ballora criou experimento que ajuda a diagnosticar apneia do sono
"A ciência pode se beneficiar imensamente de um aumento de percepção. E eu posso continuar a fazer o que amo e estimular mais pessoas como eu a não desistir de perseguir seus sonhos. A ciência tem o dever de promover a inclusão. Todos nós podemos contribuir para o conhecimento humano".
A participação não precisa estar restrita à astronomia. O pesquisador americano Mark Ballora, professor de tecnologia musical da Universidade Estadual da Pensilvânia, desenvolveu um projeto de sonificação que, a partir da conversão de dados de eletrocardiogramas, conseguiu diagnosticar casos de Síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono antes da realização de uma polissonografia - o teste de registro do sono usado no diagnóstico tradicional.
"A audição não precisa competir com a visão, mas sim trabalhar em conjunto. À noite, nossos ancestrais às vezes não podiam ver o que estava em volta, mas sons poderiam alertar para a presença de inimigos ou predadores. A sonificação de dados meteorológicos, por exemplo, já possibilitou que cientistas aumentassem sua compreensão sobre padrões de comportamento de tempestades", conta Ballora.
MAP CORAÇÃO
Wanda atualmente vive em Cidade do Cabo, na África do Sul. Além de suas pesquisas em astrofísica, dá aulas para crianças cegas, para quem leva constantemente amostras de suas sonificações. É parte de seu trabalho em um projeto da União Astronômica Internacional (UAI). Ela também dá palestras ao redor do mundo em escolas e universidades.
"A perda da minha visão na verdade me deixou ainda mais determinada a ser astrônoma. Quando faço palestras ou dou aulas, minha principal missão é estimular que as pessoas não desistam de seus sonhos e que vejam as oportunidades que estão à frente. Qualquer pessoa no mundo pode algum dia desenvolver uma doença e precisar de uma nova forma de exibir seus talentos. Somos todos exploradores naturalmente", finaliza.
Leia à vontade. Mais de 1 milhão de eBooks Saiba mais
Leia de graça
OU
OU
Entregar no seu Kindle ou em outro dispositivo

Comentários

PARCEIROS

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Brasil possui 2,5 milhões de casos a menos e 43 mil mortes a mais por Covid-19 do que a Índia?

A Vacina Chinesa é realmente Perigosa?

Quem é o misterioso escritor Tales Niechkron que despertou a fúria da extrema-direita no Brasil?

Total de visualizações de página