Postagem em destaque

As Metáforas das Tamareiras

POR VANDI DOGADO  Certa vez ouvi de um palestrante a belíssima lenda de origem árabe que diz: “quem planta tamareira não colhe tâmaras”. Um afoito espectador na plateia interrompeu-o, erigindo a mão direita e, sem aguardar o devido consentimento, logo emendou em tom elevado e extenso: Mas, pooorqueeeee, senhor? O palestrante como se já esperasse o questionamento manifestou um incógnito sorriso e elucidou que a tamareira leva aproximadamente 100 anos para produzir frutos, ou seja, se considerarmos que a plantemos aos 20 anos de idade, teríamos de viver 120 anos para colher suas tâmaras. Considerei o provérbio esplêndido, porque dele se podem extrair nobres ensinamentos de linguagem e de sapiência. Primeiramente, se tomarmos a expressão no sentido denotativo, defrontemo-nos com uma típica falácia, pois, ainda que naquela época a expectativa de vida fosse baixa, haveria exceções para qualquer ser humano que plantasse a árvore antes dos vinte anos. Por exemplo, se uma criança de 10 anos

Violinista paraplégica volta a tocar com os olhos graças a um cientista brasileiro

POR VANDI DOGADO

A violinista Rosemary perdeu o movimento do braços há mais de 30 anos e um cientista brasileiro devolveu-lhe a oportunidade de fazer o que mais aprecia: tocar violino. Quem é este brasileiro? Eduardo Miranda, professor na Universidade de Plymouth, na Inglaterra, onde realiza uma longa e bem-sucedida pesquisa envolvendo a combinação de música, computação e biologia e possibilitando por meio de eletrodos no cérebro que captam as manifestações neuronais tocar usando os olhos. Fantástico? Sim! Parabéns, Eduardo Miranda! Aliás, como Miranda, Nicolelis e Artur Ávila há dezenas de grandes cientistas brasileiros comandando pesquisas de relevância internacional, mas pouco se encontram no Brasil, visto que nossos políticos são "aberrações intelectuais" e não compreendem o valor da Educação, Ciência e Tecnologia para o desenvolvimento socioeconômico e humanitário de nossa nação. E, por falar nisso, o Governo Temer é um dos piores da história no investimento em Ciência, fato que tem proporcionado a ida para o exterior de poucos grandes cientistas que realizam pesquisas por aqui. Leia a matéria da BBC logo a seguir:
Uma violinista que perdeu os movimentos após um acidente de carro há 30 anos voltou a "tocar" usando uma tecnologia envolvendo ondas cerebrais.
À frente dela está o brasileiro Eduardo Miranda, professor na Universidade de Plymouth, na Inglaterra, que se dedica há anos a pesquisas que combinam música, computação e biologia de forma a possibilitar que pessoas com deficiências possam se expressar musicalmente.
Rosemary Johnson não consegue mais se mover ou falar, mas usando sensores acoplados à sua cabeça conseguiu selecionar notas exibidas em uma tela - que foram, tocadas, então, em tempo real, por uma antiga colega, a violinista Alison Balfour-Paul.
A performance, ao lado de uma orquestra, foi documentada em um curta metragem.
"Na primeira vez que fizemos um teste com a Rosemary, fomos às lágrimas. Podíamos sentir a alegria vindo dela", lembrou o brasileiro, que também é compositor de música clássica contemporânea.
"Quando vi Rosie pela primeira vez, algo estalou. É muito interessante trabalhar com ela. Uma vez que ela é uma musicista clássica, não preciso perguntá-la muitas coisas. Por meio da tecnologia, estamos quase instantaneamente trabalhando no domínio da comunicação musical".
"Trabalhar com ela está nos ajudando a desenvolver e formatar esta tecnologia. É uma mistura maravilhosa entre ciência e criatividade", diz Eduardo Miranda.
Image caption 'Podíamos sentir a alegria vindo dela', lembra o professor brasileiro Eduardo Miranda | Foto: Divulgação/ Plymouth University
Acidente a caminho de apresentação
Uma instrumentista clássica promissora, Johnson tinha 22 anos e era a quarta violinista da Ópera Nacional de Gales em 1988 quando sofreu um acidente de carro, a caminho de um concerto.
Ela estava na orquestra havia apenas nove meses quando se acidentou.
Balfour-Paul, que vive em Cardiff, capital do País de Gales, foi contatada há seis semanas por uma amiga em comum, que manteve contato com Johnson. Até então, a equipe não havia encontrado uma pessoa que pudesse tocar com ela. Balfour-Paul permaneceu na Ópera Nacional de Gales após o acidente da violinista e agora trabalha como instrumentista autônoma.
"Aceitei porque fui colega de Rosie há 29 anos. Ela era uma musicista amável, com tudo indo a seu favor. Mas se envolveu neste terrível acidente, que danificou gravemente o seu cérebro", conta Balfour-Paul.

Image captionAlison Balfour-Paul foi colega de Johnson Tecnologia em desenvolvimento
Segundo Eduardo Miranda, a tecnologia, cujo desenvolvimento tem parceria do Hospital Real para Deficiências Neurológicas em Londres, vem sendo estudada desde 2003 com uma equipe de engenheiros e profissionais da área da saúde.
"A ideia surgiu quando eu li uma notícia que cientistas estavam desenvolvendo métodos para controlar máquinas usando sinais elétricos cerebrais, chamados eletroencefalogramas. Eu achei a ideia fascinante e comecei a investigar a possibilidade de usar esse tipo de tecnologia para criar instrumentos musicais eletrônicos", lembra o brasileiro.
"No início, minha intenção era de desenvolver uma especie de estetoscópio cerebral para escutar e gravar os sinais elétricos do meu cérebro".
Aí Miranda conheceu Wendy Magee, uma médica australiana que trabalha com terapia musical para pacientes severamente paralisados, e resolveu focar o projeto em pessoas nessa situação. Agora, o professor conta que a tecnologia ainda tem um longo caminho de aperfeiçoamento pela frente e deve chegar ao Brasil.
"Estou em contato com algumas instituições brasileiras para ver se podemos mostrar o trabalho no país no ano que vem. Mas, o trabalho não está pronto ainda para ser usado mais amplamente. Tem muito a ser feito para resolver varios problemas técnicos e práticos", disse o brasileiro, que afirma depender da disponibilidade de colaboradores e de financiamento para seguir em frente com a tecnologia.
Fonte: BBC
 
BEST- SELLER (Mais de 100 mil cópias vendidas). 
SINOPSE: 
O que é inteligência? Podemos aumentá-la? Pessoas com alto QI são mais bem sucedidas? Ômega 3 faz bem para o cérebro? Temos uma ou mais inteligências? Einstein foi mal aluno? O que é neurogênese? Tamanho do cérebro determina a inteligência? Os testes de QI conseguem medir a inteligência humana? Como funciona nosso cérebro para processar informações? Como aprendemos? Estas e muitas outras dúvidas sobre a inteligência e capacidade de aprender são respondidas pelo autor. O livro é uma fascinante viagem pela nossa capacidade de usar o cérebro.
Preço Kindle:R$ 1,99
Leia à vontade. Mais de 1 milhão de eBooks Saiba mais
Leia de graça
OU
OU
CONHEÇA O MÉTODO MENTALUX E TENHA UM CÉREBRO MAIS FOCADO E FUNCIONAL: Receita alimentar para o cérebro, ginástica para os neurônios, técnicas avançadas de estudo, otimização do tempo e oficina de produção textual. 
Sinopse:
Grande parte das pessoas atualmente sofre da Síndrome do Pensamento Acelerado por causa das necessidades de cumprir cada vez mais tarefas em menos tempo: estudar, trabalhar e ser competente. O uso descontrolado da internet vem incisivamente contribuir para o aumento da falta de concentração e da dificuldade de organização no cotidiano. MENTALUX é um método fácil e prático, possui dois objetivos básicos: melhorar a capacidade de aprendizagem e o poder de concentração no processo de leitura e escrita. O livro traz ainda uma série de dicas para melhorar o cérebro, organizar os estudos e otimizar o tempo. É um livro indispensável para vestibulando, concursando, estudantes de nível fundamental II, médio e superior. É também destinado a todos os que queiram aumentar a capacidade de concentração e compreensão textual com mais eficiência. Os dois últimos capítulos traz técnicas de redação e desafios mentais.
Preço Kindle:R$ 1,99
Leia à vontade. Mais de 1 milhão de eBooks Saiba mais
Leia de graça
OU
OU

Comentários

PARCEIROS

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Brasil possui 2,5 milhões de casos a menos e 43 mil mortes a mais por Covid-19 do que a Índia?

A Vacina Chinesa é realmente Perigosa?

Quem é o misterioso escritor Tales Niechkron que despertou a fúria da extrema-direita no Brasil?

Total de visualizações de página