Postagem em destaque

As Metáforas das Tamareiras

POR VANDI DOGADO  Certa vez ouvi de um palestrante a belíssima lenda de origem árabe que diz: “quem planta tamareira não colhe tâmaras”. Um afoito espectador na plateia interrompeu-o, erigindo a mão direita e, sem aguardar o devido consentimento, logo emendou em tom elevado e extenso: Mas, pooorqueeeee, senhor? O palestrante como se já esperasse o questionamento manifestou um incógnito sorriso e elucidou que a tamareira leva aproximadamente 100 anos para produzir frutos, ou seja, se considerarmos que a plantemos aos 20 anos de idade, teríamos de viver 120 anos para colher suas tâmaras. Considerei o provérbio esplêndido, porque dele se podem extrair nobres ensinamentos de linguagem e de sapiência. Primeiramente, se tomarmos a expressão no sentido denotativo, defrontemo-nos com uma típica falácia, pois, ainda que naquela época a expectativa de vida fosse baixa, haveria exceções para qualquer ser humano que plantasse a árvore antes dos vinte anos. Por exemplo, se uma criança de 10 anos

Por que Biden será o 46º presidente dos EUA?

POR VANDI DOGADO
Saber quem venceu as eleições nos EUA tem sido mais difícil do que o ano de 2020. A pandemia, sem dúvida, tem sido um terrível tormento na vida das pessoas, mas também não é nada fácil conhecer o vencedor das eleições presidenciais dos EUA. Brincadeiras à parte, vamos à análise! A mais disputada eleição americana  de todos os tempos deverá ter Joe Biden como o grande vencedor. O mundo todo olha com a atenção para a maior potência do planeta. Mesmo sendo considerado o país mais democrático do mundo, não possui um sistema eleitoral tão democrático assim. Aquela velha história de cada estado possuir uma quantidade diferente de delegados não é nada democrático, uma vez que o voto de um cidadão de um estado vale até quatro vezes menos que o voto de um cidadão de outro estado. É uma cultura federalista que vem desde o início da república americana. Ademais, caso um candidato possua um único voto a mais que o adversário no fim da contagem levará todos os votos do estado. Por causa desse sistema ilógico já ocorreu mais de uma vez na história americana de um candidato à presidência mesmo com maioria de votos não ser eleito. Isso aconteceu na eleição anterior, Hillary Clinton teve muito mais votos do que Donald Trump e perdeu as eleições. Isso mesmo! O princípio fundamental de uma democracia que seria 50% mais 1 não se aplica aos EUA. Nesse sentido, o sistema eleitoral brasileiro é melhor. Se bem que aqui também há uma gravíssima falha, como não se considera válidos os votos brancos e nulos, um presidente pode ser eleito com menos de 50% dos votos dos eleitores que tiveram o trabalho de comparecer às urnas e efetuar seu voto. O leitor, por escolha, apenas não almejava nenhum dos candidatos, mas tal opção não é levada em conta em nossas eleições, por isso votos brancos e nulos deveriam ser considerado válidos. Aliás, os termos vêm de quando as eleições ainda eram por cédulas. Dever-se-ia trocar os termos "brancos e nulos" por "nenhum dos candidatos". Nas duas últimas eleições presidenciais do Brasil, os presidentes eleitos não alcançaram a maioria dos votos das urnas, mas isso é uma outra história. Deixe nossas eleições para lá.. Voltemos aos EUA. Quem vencerá? Poderia até haver empate, sabiam? Caso isso ocorra, são os próximos deputados que decidiriam quem venceu as eleições. Contudo, a meu ver, Joe Biden vencerá. Dos quatro estados que ainda faltam fechar a contagem de votos, Biden precisaria vencer em apenas um. No gráfico a seguir, nota-se que com 90% dos votos computados no Arizona, Biden mantém uma vantagem que dificilmente seria revertida por Trump. As mídias têm dirigido a atenção para a Geórgia e a Pensilvânia porque possuem uma quantidade maior de votos já apurados. Nesses estados, deverá vencer Biden por causa dos votos por correio que possuem tendência de irem para o democrata. Por quê? Por causa da pandemia! Por quê? Ora essa, eles seguem os protocolos científicos para evitar contaminação. Na Geórgia, Biden ultrapassou nesta madrugada Trump, todavia ainda é uma margem irrisória. Logo, minha análise foi um pouco distinta dos especialistas políticos. Aponto como vencedor Joe Biden porque certamente deverá vencer no Arizona e na Pensilvânia. Como cheguei à conclusão? Observei que após 50% dos votos computados, o Arizona manteve um padrão de aproximadamente entre 1% e 1,5% ponto de vantagem para Biden. Faltam 10% de votos por lá para serem contados e deverá demorar aproximadamente mais uma semana para o desfecho. Este padrão não deve ser alterado muito até o fim da contagem dos votos. Pode até ser que Trump diminua um pouco essa vantagem, contudo, o mais provável, é que Biden vencerá no Arizona com 0,65% de vantagem pelos meus cálculos. Ainda, há a possibilidade de qualquer momento Biden vencer na Geórgia e, principalmente, Pensilvânia. No entanto, neste dois colégios eleitorais a margem deverá permanecer muito apertada e, possivelmente, Trump deverá solicitar recontagem dos votos. Na Geórgia, já foi anunciado pelo secretário de estado que haverá recontagem. Presumo que no Arizona a margem possa ser maior e isso evitaria pedido de recontagem. Especialistas americanos discordam de meu posicionamento e apontam Trump como vencedor no Arizona. Devido ao conhecimento mais profundo que eles possuem das características dos eleitores de lá, podem considerar em suas análises outras variantes. Eu já aposto no padrão  observado no Arizona somados às probabilidades matemáticas de vitória na Pensilvânia. Nos EUA, a contagem e recontagem são realizadas por máquinas muito eficazes, dificilmente erram. É um voto ou outro que não consegue ser lido pela máquina, não sendo suficiente para alterar o resultado final, a não ser que a diferença entre os candidatos fosse de 50 votos para baixo. Logo, dificilmente haverá mudanças de vencedores após a recontagem de votos. Então, considerando o padrão na contagem de votos no Arizona que, por certo, concederá a vitória a Biden somados à possibilidade de vitória na Pensilvânia que certamente será reiterada na recontagem de votos, já é possível garantir por plausibilidade que Biden será o 46º presidente dos EUA. As probabilidades de perder no Arizona e na Pensilvânia é próximo de zero. 
PS: excelente para a democracia não só dos EUA, mas do mundo, uma vez que políticos "negacionistas", "distorcionistas" e mentirosos precisam ser extirpados do meio público. Sobre a judicialização das eleições não impedirá a posse de Joe Biden. Somente Donald Trump defende fraudes eleitorais. Nem mesmo os "caciques" republicanos apoiam a insanidade de seu candidato. Acreditam que Trump está manchando a democracia americana. Ele, sem provas, acusa os democratas de fraude nos estados em que perdeu por margem estreita, mas não nos que venceu por margem estreita. Assim, é fácil vencer as eleições. "Se penso que venci, venci". 


Leia à vontade. Mais de 1 milhão de eBooks Saiba mais
Leia de graça
OU
OU
Entregar no seu Kindle ou em outro dispositivo

Comentários

PARCEIROS

Postagens mais visitadas deste blog

Por que o Brasil possui 2,5 milhões de casos a menos e 43 mil mortes a mais por Covid-19 do que a Índia?

A Vacina Chinesa é realmente Perigosa?

Quem é o misterioso escritor Tales Niechkron que despertou a fúria da extrema-direita no Brasil?

Total de visualizações de página